Imprimir Post

Programação Orientada a Objetos com C# (Parte 2.2) – Classe

Resumo:

O objetivo não se aplica a este post.

Uma vez que o conteúdo total desta série foi dividido em partes, deve-se considerar absoluto o resumo da primeira postagem até o momento presente.

Classe - Relembre - Link Primeiro Post

Este tema da série Programação Orientada a Objetos com C# irá demandar mais publicações. Sendo assim, a numeração sequencial desta parte da série passou de 2.1 para 2.2 (vide título) e assim seguirá (2.3, 2.4…) mediante a necessidade de conclusão.

Palavras-chaves:

Tipos, Declaração, Modificador, Acesso, Criação, Objeto.

Texto:

Com o conceito de Classe devidamente esclarecido (vide post anterior) e a abertura inicial sobre um campo de visão prático, o próximo passo na Programação Orientada a Objetos com C# será continuar a explorar o assunto Classe.

Classe - Relembre - Link Post Anterior

Declarando um Objeto

A declaração de Objetos em C# se estabelece de duas maneiras, declaração do tipo de objeto e declaração de criação.

Declaração do tipo de objeto consiste em apenas definir o tipo do objeto com uma classe à disposição (anteriormente criada):

  • Nome da Classe: determina-se o nome da Classe que será responsável por definir o tipo do objeto;
  • Nome do Objeto: determina-se o nome para o Objeto que será criado, que segue em sequencia ao nome da classe.

Por falta de fontes disponíveis exemplificando uma notação adequada na declaração de objetos, o autor recomenda: sendo uma palavra, que o nome do objeto inicie com o prefixo obj, seguindo para primeira letra após o prefixo em maiúscula, concluindo a palavra em minúscula. No caso do objeto conter duas palavras na elaboração de seu nome, após o final da primeira palavra (pós-prefixo), a próxima será iniciada com a letra maiúscula e terminada com minúscula (prática de notação conhecida como camelCase). Além disso, deve-se evitar acentuação em objetos.

declaração de criação consiste em definir o tipo de objeto com uma classe à disposição, somando-se a criação do Objeto:

  • Nome da Classe: determina-se o nome da Classe que será responsável por definir o tipo do objeto;
  • Nome do Objeto: determina-se o nome para o Objeto que será criado, que segue em sequencia ao nome da classe.

Por falta de fontes disponíveis exemplificando uma notação adequada na declaração de objetos, o autor recomenda: sendo uma palavra, que o nome do objeto inicie com o prefixo obj, seguindo para primeira letra após o prefixo em maiúscula, concluindo a palavra em minúscula. No caso do objeto conter duas palavras na elaboração de seu nome, após o final da primeira palavra (pós-prefixo), a próxima será iniciada com a letra maiúscula e terminada com minúscula (prática de notação conhecida como camelCase). Além disso, deve-se evitar acentuação em objetos;

  • = (sinal de igual): determina-se o sinal de igualdade, que segue em sequencia ao nome do objeto;
  • New (minúscula): é uma palavra-chave (conhecida como operador new) para declaração de um Objeto que segue em sequencia ao sinal de igualdade;
  • Método Construtor: por padrão este método possui o mesmo nome da classe que o objeto a ser criado pertence ou é tipo. Além disso, o método construtor por padrão não está definido para passagem de parâmetros.

Classe - Dica - Declaração de Objeto

Criando Objetos a partir da Classe de Objetos

Com os tipos de declarações de objetos apresentados e, tendo em vista que, para criar-se um objeto efetivamente deva-se utilizar a declaração de criação, seguindo agora para Classe de Objeto Metro, antes estabelecida, surgirá o resultado:

Detalhes da criação de Objetos:

  • Metro: é a classe que definirá o tipo do objeto a ser criado;
  • objMetro: é o nome que objeto em questão foi definido para classe Metro;
  • = (sinal de igual): segue a norma sequencial de declaração para criação do objeto;
  • New (minúscula): segue a norma sequencial de declaração para criação do objeto;
  • Metro(): é o método construtor que possui o mesmo nome da classe, seguindo a norma padrão.

Reação à criação de um Objeto

Por hora, é importante entender atentamente que, no momento da criação dos Objetos ocorrem dois fenômenos intimamente conectados, a Instanciação do Objeto e a Inicialização do Objeto.

  • Instanciação do Objeto: à medida que um Objeto é instanciado (objeto = operador new...), memória é alocada para este Objeto armazenar suas informações (o espaço de memória reservado para este fim é denominado como “local de armazenagem”);
  • Inicialização do Objeto: para um Objeto ser inicializado, este se utiliza de um método denominado método construtor. Por padrão este método possui o mesmo nome da classe que o objeto a ser criado pertence ou é tipo. Além disso, o método construtor por padrão não está definido para passagem de parâmetros.

Outro detalhe importante ao inicializar um Objeto, é que as Variáveis declaradas para Classe que o Objeto pertence (ou variáveis de instância como já citado), caso não possuam valores iniciais, receberão valores padrões mediante ao tipo de variável declarada.

Considerações Finais:

Esta publicação visa esclarecer a maneira como nasce um objeto propriamente dito a partir de Classes.

É importante ressaltar que, a medida que os posts forem evoluindo, com apresentações teóricas somadas as práticas, a tendência é que o leitor vá sanando suas dúvidas e dificuldades de entendimento.

Na próxima publicação, ainda segunda parte da série: Programação Orientada a Objetos com C# será apresentado o terceiro post sobre Classe, o leitor irá “colocar a mão na massa” visando a execução prática dos conceitos abordados até o momento.

Referências Bibliográficas:

As referências bibliográficas serão apresentadas no último post desta série.

Sobre o autor

Thiago Richard Vanicore

Thiago Richard Vanicore formou-se em análise e desenvolvimento de sistemas, possui certificação ITIL Foundation V2 e entre seus conhecimentos estão: ASP .Net (WebForms/MVC5/Web API) C#, HTML5, Html/XHtml, CSS3, JQuery, JQuey Mobile, JavaScript, Xml, Ajax, Json, Microsoft SqlServer, MySql, Firebird, Azure, Visual Studio Online, Scrum, UML, CRM, Quality Assurance, CTI (Computer Telephony Integration) MPSBR (Melhoria de Processos do Software Brasileiro).

Link permanente para este artigo: http://linksinergia.com.br/2015/01/12/programacao-orientada-a-objetos-com-c-parte-2-2-classe/