Imprimir Post

Gerenciamento de Projetos baseados no PMBOK – Gerenciamento do Escopo do Projeto – Parte 7

Resumo:

Apresentar o processo: controlar escopo.

Palavras-chaves:

Controlar, Escopo, Projeto, Processo, Gerenciamento, Produto.

Texto:

Caros leitores,

Dando continuidade à série de postagens que abordam os conhecimento sobre gerenciamento do escopo do projeto, hoje será apresentado o último processo desta área, o processo controlar escopo.

Como já apresentado em outras postagens, escopo do projeto é todo o trabalho que o projeto executará para alcançar o objetivo do projeto, que poderá ser um produto, serviço ou resultado.

O processo controlar o escopo tem o objetivo de controlar tanto o escopo do projeto, quanto o escopo do produto, a fim de garantir um controle adequado sobre o escopo de ambos, tanto do produto quanto do projeto.

Vale ressaltar, caro leitor, que é normal que mudanças no escopo do projeto ocorram, para estes casos deve-se seguir o processo realizar o controle integrado de mudanças, já apresentado anteriormente, a fim de garantir que as mudanças sejam analisadas e que todos os impactos que ela causará sejam mensurados. A necessidade de se mensurar os efeitos de mudança no escopo do projeto e/ou do produto deve-se ao fato de que uma mudança no escopo poderá acarretar aumento de custos, prazos, necessidade de outros recursos humanos, entre outros. Para garantir que o escopo esteja sendo controlado, o PMBOK fornece o processo controlar escopo.

Uma vez apresentado o processo, que em sua essência é extremamente simples, deve-se passar ao fluxo deste processo. Segue abaixo:

Controlar escopo - processo - PMBOK - Link Sinergia

Fluxo do processo: Entradas, ferramentas, técnicas e saídas.

Controlar escopo – Entradas:

  • Plano de gerenciamento do projeto: apresentado em diversas postagens, o plano de gerenciamento de projeto é um documento compostos pelos planos auxiliares, que são os planos de gerenciamento de cada área de conhecimento, como tempo, escopo, qualidade, entre outros. Assim sendo, o plano de gerenciamento do projeto contém o plano de gerenciamento do escopo, apresentado anteriormente, que tem o objetivo de orientar ao gerente de projeto e a equipe de gerenciamento do projeto como o escopo será gerenciado. Está contido também no plano de gerenciamento do projeto o plano de gerenciamento dos requisitos que tem por objetivo ajudar o gerenciamento do requisitos. Logo, caro leitor, o plano de gerenciamento de projeto é essencial para o processo controlar escopo, bem como de extrema importância para quando houver alteração no escopo, pois o plano de gerenciamento do projeto também contém o plano de gerenciamento de mudanças.
  • Documentação dos requisitos: a documentação dos requisitos apresenta diversos dados sobre os requisitos, e é utilizada pelo processo controlar escopo na detecção de divergências no escopo que não estejam de acordo com o que foi definido para o projeto, bem como para o produto, serviço ou resultado.
  • Matriz de rastreabilidade: a matriz de rastreabilidade é fundamental para ajudar na mensuração dos impactos que as divergências no escopo ou mudanças no escopo irão causar.

RLMB_Matriz_Rast_e_Doc_Req_Gep_6_v1

  • Dados de desempenho do trabalho: os dados de desempenho do trabalho poderão apresentar dados referentes as mudanças solicitadas, mudanças aceitas, entre outras. Cabe ressaltar que, quando ocorre um desempenho abaixo do planejado poderá ocorrer solicitações de mudanças, uma vez que o projeto apresentará atrasos e, consequentemente, aumento de tempo, custo, entre outros.
  • Ativos de processos organizacionais: como abordado em diversas postagens, os ativos de processos organizacionais são processos, procedimentos, planos e bases de conhecimento que uma organização possui e que podem influenciar no meio como o gerenciamento de projeto será executado. Neste caso, podem haver diretrizes sobre como realizar o controle do escopo.

Controlar escopo – Ferramentas e técnicas:

  • Análise de variação: trata-se de uma técnica que determina a causa e o grau de divergência entre o desempenho real e a linha de base do escopo. Esta ferramenta possibilita a análise do progresso do projeto, bem como pode ajudar o gerente de projeto e a equipe de gerenciamento do projeto a determinar se há necessidade de executar uma mudança para correção.

Controlar escopo – Saídas:

  • Informações sobre desempenho do trabalho: como o processo controlar escopo pode gerar mudanças no projeto, como, por exemplo, alocação de recursos humanos para ajustar o projeto, redução do escopo, entre outros, é natural que este processo gere também informações sobre o desempenho do trabalho, o que, neste caso, figura como uma saída do processo.
  • Solicitações de mudança: como apresentado durante este poste, uma divergência entre o desempenho real e a linha de base do escopo pode gerar uma solicitação de mudança, a fim de corrigir tal divergência.
  • Atualizações no plano de gerenciamento do projeto: as divergência entre o desempenho real e a linha de base do escopo, alterações de escopo, como, por exemplo, redução ou aumento do escopo, entre outros, poderá ocasionar uma mudança. Uma vez que seja aprovada pelo processo formal de mudanças, as alterações devem ser refletidas, por exemplo, no plano de gerenciamento do escopo, linha de base do escopo, entre outros, consequentemente acarretando em atualizações no plano de gerenciamento do projeto.
  • Atualizações nos documentos do projeto: assim como o plano de gerenciamento de projeto, os documentos do projeto também sofrem atualizações.
  • Atualizações nos ativos processos organizacionais: diversos ativos de processos organizacionais poderão sofrer atualizações, a fim de prover maiores conhecimentos para a organização ou adequar processos, métodos, entre outros.

Considerações finais:

Caros leitores, assim encerra-se a série de postagens que abordou a área de conhecimento gerenciamento do escopo do projeto.

Como apresentado nesta postagem, o processo controlar escopo tem o objetivo de “manter o projeto nos trilhos”, para que seja possível entregar o que foi definido pelas partes interessadas.

Referências bibliográficas:

Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK) – 5ª Edição – Project Management Insititute, Inc.

Sobre o autor

Daniel Teran Duarte

Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e pós-graduado em Administração de empresas pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, e em Consultoria empresarial pela FIA – Fundação Instituto de Administração. Em seus conhecimentos complementares existem diversas certificações, com destaque para as seguintes: Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e pós-graduado em Administração de empresas pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, e em Consultoria empresarial pela FIA – Fundação Instituto de Administração.

Em seus conhecimentos complementares existem diversas certificações, sendo estas: PMP – Project Management Professional; PRINCE2® Practitioner; PSM I – Professional Scrum Master I; HCMP® 3G Expert Professional; MCP - Microsoft Project 2013; ITIL V3 Expert; ISO 20.000 Consultant Manager; HDI SCM - Support Center Manager; Cobit; ISO 9001:2015 Auditor Líder; ISO 22301:2012 Auditor Líder.

Para conhecer mais sobre Daniel Teran Duarte, visite o perfil no Linkedin ou encaminhe um e-mail.

Link permanente para este artigo: http://linksinergia.com.br/2015/03/16/gerenciamento-de-projetos-baseados-no-pmbok-gerenciamento-do-escopo-do-projeto-parte-7/