Imprimir Post

A importância do horário – Etiqueta profissional

Resumo:

Apresentar ao leitor as questões relacionadas ao horário do profissional, segundo as regras de etiqueta profissional.

Palavras-chaves:

Etiqueta, Profissional, Imagem, Horário, Profissionalismo.

Texto:

Caros leitores,

Todos sabem que no ambiente corporativo bons modos são apreciados e podem determinar se o profissional irá progredir ou não, dá-se o nome de “etiqueta profissional”, a este conjunto de boas maneiras.

Apesar da maioria dos profissionais julgarem entender as regras da etiqueta profissional, não é comum ver profissionais que as cumpram, na verdade o que se vê no ambiente corporativo, é uma série de falhas no modo comportamental dos profissionais que prejudicam não somente tais profissionais, mas também, e de modo sério, a efetividade e eficiência das atividades das organizações.

Na postagem de hoje, o autor irá abordar os itens básicos sobre etiqueta profissional, a fim de orientar os leitores sobre itens que talvez estejam esquecidos, tenham perdido valor, ou aos quais os leitores se quer tenham ouvido falar.

O primeiro item é o horário. Vive-se na atualidade uma mescla de gerações e isto está trazendo resultados bons e ruins para o ambiente corporativo pois, apesar das gerações mais recentes, refere-se o autor à geração Y e geração Z, possuírem diversos pontos positivos, como, por exemplo, a maior capacidade de aprendizagem, justamente por possuírem maior familiaridade com o mundo tecnológico, elas também apresentam pontos negativos, entre tais pontos há a questão relacionada ao horário de trabalho.

As novas gerações, acredita o autor que influenciadas, em grande parte, por empresas como o google, por exemplo, não aceitam com facilidade a questão do horário de trabalho fixo. Para estes novos profissionais, a questão do horário é secundária e eles preferem avaliações por resultados, o que pode gerar problemas, pois parte da imagem profissional está justamente ligada a postura adotada no dia-a-dia do trabalho. Vale ainda ressaltar que a questão de problemas com o horário não é de exclusividade dos profissionais que integram as gerações supracitadas, este é um problema que permeia todas as gerações de profissionais.

A primeira questão de etiqueta profissional relacionada ao horário refere-se ao horário de início das atividades dos profissionais. Se você é um profissional contratado para iniciar sua atividade as 08h00m, você deverá estar disponível para suas atividades neste horário, e não chegar na sua mesa neste horário para depois ir pegar seu café, ir ao banheiro verificar sua vestimenta e seu cabelo, entre outros. Você deve estar as 08h00m com tudo isto feito. Engana-se quem pensa que o autor é um ditador do horário, muito pelo contrário, este foi um dos pontos mais complexos para ajuste da carreira do mesmo, foram diversos os problemas com horário, até que ele pudesse entender e assimilar o que parece simples e corriqueiro.

Fica então, caro leitor, a primeira dica refere-se ao comprometimento do profissional em cumprir o acordo que ele firmou com a empresa e demonstrar respeito e empenho pelo salário que ele ganha que, seja ruim ou bom, ele aceitou.

Se você tiver problemas e ver que irá se atrasar, avise com antecedência. Não espere chegar ao trabalho para justificar seu atraso, ou para informar que está atrasado, acredite, o seu chefe já terá notado e seus companheiros também. Se seus atrasos virarem recorrentes, você terá problemas com sua imagem profissional, com o reconhecimento e confiabilidade dos seus colegas de trabalho em relação a você.

O segundo ponto que será abordado hoje é o horário de almoço. Este é terrível para as organizações que são mais flexíveis, pois os profissionais tendem a estender tal flexibilidade ao ponto de se tonar um abuso, que gera um problema sem tamanho para aqueles que fazem gestão de equipes e ainda difama a imagem de ambos, de colaborador e gestor. Do primeiro por degradar a imagem do profissional, justamente pela falta de comprometimento e responsabilidade. Do segundo por gerar a sensação de que o gestor não possui o “controle” adequado da equipe, além de poder contaminar os demais membros.

Se você possui uma hora de almoço, isto não significa sair 15 minutos antes e chegar quinze minutos depois. Afinal, o que são 15 minutos a mais? Acredite, pode ser o fiel da balança entre o sucesso ou fracasso do profissional. Cumprir o horário de almoço acordado demonstra o respeito pela organização que lhe contratou e pelos profissionais que dependem de suas atividades. Isto demonstra que você honra sua parte no acordo firmado.

Tem-se ainda, como terceiro ponto, o horário de saída. Você possui todo o direito de ir embora no seu horário, mas não de começar a se arrumar para ir embora 20 minutos antes, até pelo fato de que os profissionais que possuem tal hábito, normalmente não entram 20 minutos antes. Todos notam quando um profissional começa a se arrumar para ir embora, pois a pessoa começa a recolher as coisas, por exemplo, papéis, bolsa, carteira, entre outros. Se seu horário é às 17h00m, comece a arrumar suas coisas às 17h00. Se você precisa sair antes, por questões de transporte, acorde com seu superior, informe o motivo e justifique. Se ele aceitar, ótimo, se ele não aceitar entenda que ele não tem tal obrigação. No momento da contratação você aceitou os termos colocados, assim como aceitou salário, entre outros.

Um ponto que tem se tornado comum, caro leitor, são os chamados “cafés”, ou seja, aquelas saídas para tomar uma água, conversar um pouco, entre outros, algumas empresas já possuem locais de despressurização para que os profissionais possam se distrair, porém tais profissionais devem entender que existe um limite, nem sempre estabelecido formalmente, de tempo que pode ser utilizado para tal situação. Normalmente de 5 até 15 minutos é um período normal, mais do que isto pode ser visto como algo negativo na postura do profissional, ou seja, um ponto negativo para imagem deste profissional. Tome cuidado com estas situações, pois apesar de serem agradáveis, podem prejudicar a imagem e reputação do profissional com comentários: “Está tomando café, para variar”, “Se trabalhasse ao invés de ficar tomando café, não teríamos estes problemas”, entre outros.

Considerações finais:

Caros leitores, como apresentado ao longo da postagem, o autor considera que zelar pelas regras da etiqueta profissional, neste caso específico pelo horário, é de suma importância, pois confere ao profissional o comprometimento e respeito esperado pela organização e profissionais responsáveis por ter contratado o profissional.

Referências bibliográficas:

http://www.ciadetalentos.com.br/votorantim/gestores/artigos/geracao.pdf acessado em 06/12/15

Etiqueta nos negócios – Carole Bennet, 2008 – Editora Senac

Imagem Profissional – Ann A. Cooper – Editora Senac

Sobre o autor

Daniel Teran Duarte

Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e pós-graduado em Administração de empresas pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, e em Consultoria empresarial pela FIA – Fundação Instituto de Administração. Em seus conhecimentos complementares existem diversas certificações, com destaque para as seguintes: Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e pós-graduado em Administração de empresas pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, e em Consultoria empresarial pela FIA – Fundação Instituto de Administração.

Em seus conhecimentos complementares existem diversas certificações, sendo estas: PMP – Project Management Professional; PRINCE2® Practitioner; PSM I – Professional Scrum Master I; DEVOPS Master; HCMP® 3G Expert Professional; MCP - Microsoft Project 2013; ITIL V3 Expert; ISO 20.000 Consultant Manager; HDI SCM - Support Center Manager; Cobit; ISO 9001:2015 Auditor Líder; ISO 22301:2012 Auditor Líder.

Para conhecer mais sobre Daniel Teran Duarte, visite o perfil no Linkedin ou encaminhe um e-mail.

Link permanente para este artigo: http://linksinergia.com.br/2015/12/07/3232/