Imprimir Post

Liderança e a organização acima de si mesmo – Liderança

Resumo:

Apresentar ao leitor as questões referentes aos conflitos entre os objetivos pessoais do líder e os objetivos da organização.

Palavras-chaves:

Organização, Liderança, Interesse, Relacionamento, Líder, Papel.

Texto:

Caros leitores,

Um tema que está em alta nas organizações hoje é “liderança”. Muito se fala em estilos de liderança, sobre as responsabilidades que o líder possui, sobre ser exemplo para sua equipe e muitos outros temas, porém muito pouco se fala sobre as exigências que o cargo de liderança impõe aos seus ocupantes. Em postagens anteriores o autor já abordou o risco de fracasso que líderes encaram diariamente, também já foi apresentado a complexidade das decisões que são inerentes ao cargo de liderança.

Liderança

Liderança

Na postagem de hoje o autor abordará um tema extremamente polêmico, trata-se da questão de colocar os interesses da organização acima dos próprios interesses. Este tema é tão complexo e delicado que poucas vezes é abordado de forma adequada e clara.

Imagine, caro leitor, que você que tanto lutou para ocupar a posição de liderança se depara com a situação de ter de colocar os objetivos da organização acima dos seus planos pessoais. Você pode pensar que isto seja normal e corriqueiro, que líderes são pessoas perfeitas, de reputação inquestionável e que são bons o suficiente para serem imparciais em todas situações, ou você pode entender que são seres humanos complexos, cheios de defeitos, expectativas, sonhos e tantos outros sentimentos e que, ainda que sejam pessoas maravilhosas, possam tomar decisões erradas que os beneficiam mais do que a organização. Acredite, caro leitor, a segunda opção é a que mais se encontra no meio corporativo.

É extremamente complicado, por mais que isto seja correto, que um líder seja imparcial para sempre colocar a organização acima dos próprios interesses, talvez para profissionais que já ocupam cargos de diretores, presidentes e conselheiros isto seja mais natural, porém para profissionais que estão em plena ascensão isto é muito mais complicado. Não é tão simples assim colocar os próprios interesses de lado para que a organização tenha um melhor desempenho, assim como não é tão simples colocar o ego de lado quando se tem um conflito com o líder de uma outra área, o que se vê são profissionais colocando seus próprios interesses em detrimento dos interesses da organização, o que muitas vezes acaba gerando ineficiência, prejuízos financeiros, danos à reputação da organização e muitos outros.

Se você é ou pretende ser líder, caro leitor, entenda que seus interesses são os últimos a serem priorizados, pois a organização está em primeiro lugar. Na verdade, há uma visão errada, pois há líderes que colocam a organização para trabalhar em prol de seus interesses pessoais, quando na verdade a ascensão se dá justamente por obter resultados melhores para organização, ou assim deveria ser em organizações que dizem seguir o conceito de “meritocracia”, ou seja, organizações onde há evolução da carreira do profissional se dá por meio de seus resultados positivos.

Considerações finais:

Assim, caros leitores, finaliza-se a postagem sobre a complexidade de se ter a organização em primeiro lugar. O ponto importante é entender que na teoria é muito mais simples do que na prática, e que ainda há outros fatores que influenciam diretamente os colaboradores de uma organização, por exemplo as relações políticas entre os membros da organização e muitos outros.

Referência bibliográfica:

Cooper, Ann A. Como ser um líder – São Paulo – Editora Senac – 2012.

Sobre o autor

Daniel Teran Duarte

Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e pós-graduado em Administração de empresas pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, e em Consultoria empresarial pela FIA – Fundação Instituto de Administração. Em seus conhecimentos complementares existem diversas certificações, com destaque para as seguintes: Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e pós-graduado em Administração de empresas pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, e em Consultoria empresarial pela FIA – Fundação Instituto de Administração.

Em seus conhecimentos complementares existem diversas certificações, sendo estas: PMP – Project Management Professional; PRINCE2® Practitioner; PSM I – Professional Scrum Master I; HCMP® 3G Expert Professional; MCP - Microsoft Project 2013; ITIL V3 Expert; ISO 20.000 Consultant Manager; HDI SCM - Support Center Manager; Cobit; ISO 9001:2015 Auditor Líder; ISO 22301:2012 Auditor Líder.

Para conhecer mais sobre Daniel Teran Duarte, visite o perfil no Linkedin ou encaminhe um e-mail.

Link permanente para este artigo: http://linksinergia.com.br/2017/01/02/lideranca-e-os-interesses-da-organizacao/