Imprimir Post

Realizar a análise quantitativa dos riscos – Ger. dos riscos – Parte 2

Resumo:

Apresentar ao leitor as ferramentas e técnicas do processo realizar a análise quantitativa dos riscos.

Palavras-chaves:

Ferramentas, Técnicas, Realizar, Análise, Quantitativa, Riscos.

Texto:

Caros leitores,

Dando continuidade a explicação do processo realizar a análise quantitativa dos riscos, esta postagem apresentará as ferramentas e técnicas do processo.

Realizar a análise quantitativa dos riscos

Torna-se importante ressaltar que, tanto para o exame PMP, quanto para a realidade diária do gerente de projetos, a maioria das ferramentas e técnicas são utilizadas de maneira reduzida, seja por conta de sua maior complexidade, ou ainda pelo tempo que leva tal aplicação.

Com base nesta situação, esta postagem buscará realizar uma explanação simplificada, tendo como objetivo tornar o leitor conhecedor da existência desta técnicas e ferramentas, mas não totalmente capacitados em sua aplicação, pois isto demandaria um estudo aprofundado.

Realizar a análise quantitativa dos riscos: Ferramentas e técnicas:

  • Técnicas de coleta e apresentação de dados:
    • Entrevistas: entrevistas podem ser realizadas a fim de quantificar a probabilidade e o impacto dos riscos em relação ao projeto. O principal ponto das entrevistas é a questão da qualidade dos dados que serão levantados.
    • Distribuição de probabilidade: a distribuição de probabilidades contínuas, que são adotadas em modelagem e simulação, representam incerteza em valores tais como:
      • durações estimadas para as atividades;
      • custos do projeto.
  • Técnicas de modelagem e análise de quantitativa dos riscos:
    • Análise de sensibilidade: esta técnica ajuda a determinar quais riscos apresentam maior potencial de impacto no projeto, bem como auxilia na compreensão de como as variações dos objetivos do projeto se correlacionam com as variações em diferentes graus de incerteza.
    • Análise do valor monetário esperado (VME): trata-se de um conceito estatístico que calcula o resultado médio quando o futuro inclui cenários incertos. O resultado é obtido multiplicando o valor de cada resultado possível pela sua probabilidade de ocorrência e somando estes produtos. Esta técnica tem por característica a expressão de oportunidades com valores positivos, enquanto os riscos são expressos com valores negativos.
    • Modelagem e simulação: esta técnica utiliza um modelo que converte as incertezas específicas e detalhadas do projeto em possíveis impactos aos objetivos do projeto e, normalmente, utilizam a técnica de Monte Carlo.
  • Opinião especializada: trata-se da utilização de conhecimentos de profissionais, grupos e organizações que possuem alta capacitação, conhecimentos, experiência ou treinamentos na área em questão. Um gerente de projetos com experiência pode ser considerado como uma opinião especializada.

Considerações finais:

Assim, caros leitores, encerra-se a explicação das técnicas e ferramentas do processo realizar a análise quantitativa dos riscos. Como já ressaltou autor, esta postagem tem somente o objetivo de apresentar aos leitores a técnicas existentes. A capacitação nestas técnicas demandam maior tempo para aprofundamento.

Referência bibliográfica:

Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK) – 5ª Edição – Project Management Institute, Inc.

Sobre o autor

Daniel Teran Duarte

Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e pós-graduado em Administração de empresas pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, e em Consultoria empresarial pela FIA – Fundação Instituto de Administração. Em seus conhecimentos complementares existem diversas certificações, com destaque para as seguintes: Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e pós-graduado em Administração de empresas pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, e em Consultoria empresarial pela FIA – Fundação Instituto de Administração.

Em seus conhecimentos complementares existem diversas certificações, sendo estas: PMP – Project Management Professional; PRINCE2® Practitioner; PSM I – Professional Scrum Master I; DEVOPS Master; HCMP® 3G Expert Professional; MCP - Microsoft Project 2013; ITIL V3 Expert; ISO 20.000 Consultant Manager; HDI SCM - Support Center Manager; Cobit; ISO 9001:2015 Auditor Líder; ISO 22301:2012 Auditor Líder.

Para conhecer mais sobre Daniel Teran Duarte, visite o perfil no Linkedin ou encaminhe um e-mail.

Link permanente para este artigo: http://linksinergia.com.br/2017/08/14/realizar-a-analise-quantitativa-dos-riscos-p2/