Imprimir Post

Planejar o gerenciamento das partes interessadas – Ger. das partes interessadas – Parte 2

Resumo:

Apresentar ao leitor as ferramentas técnicas  do processo planejar o gerenciamento das partes interessadas.

Palavras-chaves:

Planejar, Gerenciamento, Parte Interessadas, Projeto, Processos, PMBOK.

Texto:

Caros leitores

Dando continuidade a explicação do processo planejar o gerenciamento das partes interessadas, esta postagem apresentará as ferramentas e técnicas do processo.

Planejar o gerenciamento das partes interessadas - Relembre

Sem maiores delongas, vamos direto ao objetivo da postagem.

Planejar o gerenciamento das partes interessadas – Ferramentas e Técnicas:

  • Opinião especializada: trata-se da utilização de conhecimentos de profissionais, grupos e organizações que possuem alta capacitação, conhecimentos, experiência ou treinamentos na área em questão. Um gerente de projetos com experiência pode ser considerado como uma opinião especializada.

Para o processo planejar o gerenciamento das partes interessadas, esta ferramenta tem um valor diferente. Entenda, prezado leitor, que nem sempre o gerente de projeto detém o conhecimento de quem engajar e quando engajar. Este tipo de informação pode ser fornecido por pessoas que conheçam bem a organização e sua estrutura. São possíveis opiniões especializadas:

    • Alta administração;
    • Partes interessadas já identificadas;
    • Especialista no assunto.
  • Reuniões: as reuniões podem ser realizadas para identificar os níveis de engajamento necessário às partes interessadas do projeto. Estas reuniões podem ser feitas em conjunto com especialistas no assunto, equipe de projeto e outros.
  • Técnicas analíticas: estas técnicas são utilizadas para determinar o nível de engajamento das partes interessadas em relação ao planejado. O objetivo é identificar GAPs e tomar ações corretivas, caso sejam necessárias. Diversas ações podem ser tomadas para melhorar o engajamento das partes interessadas, dentre elas está a intensificação a comunicação, solicitação de apoio ao board, notificações de riscos ao projeto e outras. O PMBOK® sugere a classificação de nível de engajamento das partes interessadas da seguinte maneira:
    • Desinformado: Não possui conhecimento do projeto e impactos;
    • Resistente: Ciente do projeto e impactos, mas resistente à mudança;
    • Neutro: Ciente do projeto e impactos, mas não apoia e nem resiste;
    • Dá apoio: Ciente do projeto e impactos. Apoia o projeto;
    • Lidera: Ciente do projeto e impactos. Ativamente engajado em assegurar o sucesso do projeto.

Esta matriz é preenchida por duas letras. Sendo “C” para o nível de engajamento atual e “D” para o nível de engajamento desejado. Veja abaixo um exemplo da planilha:

Planejar o gerenciamento das partes interessadas - Engajamento

Considerações finais:

Assim, caros leitores, encerra-se a segunda postagem sobre o processo planejar o gerenciamento das partes interessadas, onde foram apresentadas as ferramentas e técnicas do processo.

A parte relevante nesta postagem é a questão de planejar o engajamento. A experiência do autor assegura que esta não é uma prática corriqueira. Normalmente há a identificação, porém o controle do envolvimento é precário. O resultado é a realização de projetos que não atende as expectativas das partes interessadas e, consequentemente, atende parcialmente ao negócio. Tal situação gera frustração e descontentamento, causando danos à imagem da equipe de projeto e gerente de projeto.

Considerações finais:

Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK) – 5ª Edição – Project Management Institute, Inc.

Sobre o autor

Daniel Teran Duarte

Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e pós-graduado em Administração de empresas pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, e em Consultoria empresarial pela FIA – Fundação Instituto de Administração. Em seus conhecimentos complementares existem diversas certificações, com destaque para as seguintes: Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e pós-graduado em Administração de empresas pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, e em Consultoria empresarial pela FIA – Fundação Instituto de Administração.

Em seus conhecimentos complementares existem diversas certificações, sendo estas: PMP – Project Management Professional; PRINCE2® Practitioner; PSM I – Professional Scrum Master I; HCMP® 3G Expert Professional; MCP - Microsoft Project 2013; ITIL V3 Expert; ISO 20.000 Consultant Manager; HDI SCM - Support Center Manager; Cobit; ISO 9001:2015 Auditor Líder; ISO 22301:2012 Auditor Líder.

Para conhecer mais sobre Daniel Teran Duarte, visite o perfil no Linkedin ou encaminhe um e-mail.

Link permanente para este artigo: http://linksinergia.com.br/2018/04/09/planejar-o-gerenciamento-das-partes-interessadas-p2/